BRASIL: municípios que possuem potencial para o transporte aéreo e aviação comercial

sete_linh_aere_11

Um levantamento inédito da SAC Secretaria de Aviação revela que o Brasil possui 252 municípios com mercado potencial para a criação e operação de novas rotas aéreas. O mapeamento faz parte de um panorama inédito sobre a aviação no Brasil, divulgado pela SAC, que criou um “hotsite” para apresentar os dados da pesquisa. Entre os voos diretos com potencial de demanda diária estão rotas como RJ-Vila Velha/ES e Macaé/RJ-Santos/SP, que ainda não recebem voos regulares. De acordo com o estudo, 252 municípios operariam novas rotas com 50% de ocupação das aeronaves; 172 cidades implantariam novos trechos aéreos com cerca de 70% dos assentos ocupados e 144 destinos receberiam rotas com aproximadamente 85% de lotação nos aviões. [Helio Luiz de Oliveira, editor MTb 69429SP, de SP – Foto: NOP-Fly]

Anúncios

Uma América do Sul integrada pela avião comercial.

avianca-airbus-a321-200

A América do Sul – uma das regiões do planeta com maior crescimento no transporte aéreo esperado para os próximos 20 anos. No entanto, o continente é pouco conectado, com oferta de assentos concentrada em apenas quatro empresas e poucos voos regulares fora das capitais. As conclusões são de um estudo do BID Banco Interamericano de Desenvolvimento. Os países sul-americanos visam aprofundar as discussões sobre a situação da aviação regional na América do Sul, enfatizando a possibilidade de dar maior grau de liberdade para as rotas sub-regionais. A ideia é avaliar o cenário da integração aérea no continente, diagnosticar o sistema de aeroportos da região e retomar estratégias de conectividade que dependem de maior protagonismo dos governos nacionais. [Elias Marques, editor MTb 49162SP, de SP – Foto: NOP-Fly]

SP, RJ e MG: concentração de 45% da movimentação do tráfego aéreo brasileiro.

DSCN1177

Os três Estados da Região Sudeste estão entre os cinco maiores em movimentação aérea de passageiros quando comparados com as demais regiões brasileiras. SP é a principal rota para as chegadas e partidas dos viajantes e do fluxo aéro, seguido pelo RJ, segundo estado no ranking, e MG, na quinta colocação. Dos 3.590 municípios mencionados como origem e destino por passageiros entrevistados para a pesquisa, 988 são da região Sudeste. Cerca de 45% da movimentação de aeronaves no Brasil passa por algum município da Região.

DSCN5493

Os dados fazem parte do estudo realizado pela Secretaria de Aviação em parceria com a EPL Empresa de Planejamento e Logística. Só pelo Aeroporto de Guarulhos/SP transitam pessoas de 312 municípios. Pelo Aeroporto de Viracopos, localizado em Campinas, SP – em segundo lugar, são 282 cidades de origem, e BH com 220 municípios influenciados pelo aeroporto da cidade. Das seis rotas mais desejadas pelos passageiros e que ainda não são operadas regularmente, quatro delas têm como origem e/ou destino cidades da região, como Macaé, RJ, Vila Velha, ES, RJ e SP.

DSCN4316

Dos 65 aeroportos avaliados pela pesquisa, responsáveis por 98% da movimentação aérea do Brasil, 16 estão localizados em municípios da Região Sudeste. Outras informações podem ser adquiridas no portal http://www.aviacao.gov.br. [Helio L Oliveira, editor MTb 69429SP, de SP – Fotos: NOP-Fly/Inflyght Aéreo]

Embraer: carteira apresenta lucro líquido de R$ 255 milhões no 3TRI2015

phenom_300_embraer_bra

A Embraer anunciou que durante o terceiro trimestre de 2015, entregou 21 aeronaves comerciais e 30 executivas. No acumulado dos primeiros nove meses, foram entregues 68 aeronaves comerciais e ainda 75 executivas. No período, a fabricante de aviões brasileira anunciou 20 pedidos firmes para a atual geração dos jatos comerciais E-Jets, totalizando 146 aquisições firmes neste ano para ambas as gerações dos E-Jets. A carteira de pedidos firmes (“backlog”) terminou o trimestre em US$ 22,8 bilhões. Com o resultado a Receita líquida atingiu R$ 4.577,3 milhões no terceiro trimestre, representando crescimento de 62% quando comparada ao mesmo período do ano anterior. As margens EBIT e EBITDA atingiram 6,7% e 12,5%, respectivamente, crescendo em relação às margens de 5,6% e 11,0%, respectivamente, do mesmo trimestre de 2014. O Prejuízo líquido atribuído aos acionistas da Embraer foi de R$ 387,7 milhões e o Prejuízo por ação foi de R$ 0,5318 no 3TRI2015, cujo Lucro líquido ajustado foi de R$ 255,1 milhões ou R$ 0,3499 por ação. [Helio L Oliveira, editor MTb 69429SP, de SP – Foto: Divulgação]