Avianca quer ajudar a expandir a aviação regional no Brasil e vai encomendar novos aviões!

A Avianca Brasil está negociando a aquisição e compra de novas aeronaves que pode chegar ao numero de até 50 jatos regionais. A afirmação da nota de imprensa foi de José Efromovich, presidente executivo da Avianca, que afirmou também no interesse em consultar as fabricantes do tipo adequado de avião como os modelos da Embraer (Brasil), Bombardier (Canada), Mitsubishi Aircraft (Japão) e Sukhoi (Russia). “Necessitamos em substituir 15 aeronaves dos modelos ATRs de idade superior, por isso prevemos que iremos precisar de até 50 novos aviões” – afirmou Efromovich em entrevista. A empresa pretende assim promover uma grande renovação da frota, além das afirmações do Governo brasileiro de diante de estimular voos para novas cidades em todo o Brasil. “Vai depender também do programa de aviação regional que o Governo quer e necessita implementar em regiões onde o avião ainda não consegue atender a demanda.

avianca_airbus_a_318

O Brasil cresceu e novas regiões comerciais surgiram ao longo dessas ultimas duas décadas” – enfatizou o executivo da companhia aérea. A Avianca Brasil deve ser rentável neste ano bastante positivo, ela que é a quarta maior companhia aérea do país. “Poderíamos abrir ate mesmo uma subsidiária regional ou criar uma companhia totalmente nova, ou até mesmo fazer um acordo com uma companhia aérea existente para um dinâmico programa regional” – finalizou Efromovich que também está aberto as outras opções. A Avianca Brasil tornou-se conhecida nacionalmente por oferecer refeições, entretenimento e assentos mais espaçosos sem custos nos seus aviões e em todas as rotas servidas, cuja companhia só tem apenas classe econômica. Por Hélio Luiz de Oliveira, editor MTb 69429SP, de SP Foto-Divulgação.

Anúncios

Aviões modernos já estão autorizados a voar para a Índia!

A companhia aérea alemã Lufthansa (que possui 10 aeronaves A380) planeja iniciar a utilizacao dos modernos aviões da Airbus da serie A380 para operar nas rotas com destino para a Índia ainda neste ano. A Índia havia proibido o pouso e decolagens da aeronave no país, não permitindo que as companhias como Singapore Airlines, Lufthansa e Emirates Airline operassem esses jatos na segunda nação mais populosa do mundo. Segundo as novas regras indianas os aviões serão autorizados a pousar nos principais aeroportos do país como Nova Délhi, Mumbai, Bangalore e Hyderabad – que estão totalmente equipados para receber a moderníssima aeronave.

lufthansa_a380_2013 lufthansa_a380_business_class

O Airbus A380 pode transportar mais de 800 passageiros em uma configuração de classe única, e o Governo local havia proibido o seu uso por causa da preocupação de que as companhias aéreas estrangeiras dominassem o mercado de viagens internacionais.

lufthansa_a380_business_class_executive

A decisão foi bem recebida pelas aéreas estrangeiras que pretendem explorar o setor de viagens de turismo com pacotes integrados, que está em rápido crescimento no país asiático. Por Thadeu H M Oliveira, de Dakha, Bangladesh – Correspondente para a REVISTA INFLYGHT AEREO – Brasil – Images – Lufthansa Press

Passageiros transportados em voos domésticos e internacionais cresceu em 2013!

O número de passageiros transportados em voos domésticos e internacionais, verificados em 2013 cresceu 1,66% em comparação ao mesmo e idêntico período de 2012. Os passageiros de voos internacionais foram 19,3 milhões, o que representa aumento de 2,45% em relação a 2012. Dentro do país, foram 91,8 milhões de passageiros voando em 2013, com crescimento de 1,49% sobre o ano anterior.

congonhas_airport_arq

Em 2013 foram 12.555 manifestações – todas nas citações referentes ao serviço prestado pelas empresas aéreas. Ainda segundo a agência reguladora, o volume de manifestações (como criticas, elogios, reclamações e duvidas) encaminhadas pelos passageiros à Anac caiu 14,7% em 2013, na comparação também com 2012. Os dados são divulgados pela Anac Agencia Nacional de Aviação Civil com base em relatórios mensais divulgados pelas próprias empresas aéreas brasileiras. Por Elias Marques, editor MTb 49162SP, de SP – Foto – Arquivo NOP-Fly Ass. Imprensa.

Azul Linhas Aéreas – agora a América do Sul para voar…

A companhia brasileira Azul quer voar para fora do país, cujos dados confirmam que a empresa mantém os estudos de atuar na expansão externa, e que está se prepara para operar esses voos internacionais e ainda de adquirir aviões de maiores capacidades. “O voo internacional é um passo muito importante para nós da Azul, e já levantamos alguns estudos e nas concordâncias para os destinos mais prioritários” – afirmou o diretor de comunicação da companhia, Gianfranco Beting.

DSCN2913

A intenção de fazer voo internacional, segundo o executivo só foi engavetada após o anúncio da fusão com a Trip, em maio de 2012 (como ajuste da malha nacional, da frota das envolvidas e das equipes para o aproveitamento das sinergias). Naquela época, a intenção da Azul era de começar as rotas internacionais com voos para a América do Sul. A companhia já tem 18% do mercado, 10 mil tripulantes e 140 aviões, o que não torna difícil alcançar novas metas e novos passos. Por Hélio L Oliveira, editor MTb 69429SP, de SP – Foto – NOP-Fly Ass. Imprensa.

Carsten Spohr – novo CEO da Deutsche Lufthansa AG

lufthansa_airplane_airport_germany

Carsten Spohr – é o novo CEO da Deutsche Lufthansa AG, e trabalha na companhia desde 1994. As mudanças ocorrem em um momento impar em que a gigante empresa alemã vive – como reverter os lucros de operação dos 900 milhões de dólares que decepcionou seus principais acionistas, o aumento da concorrência na Europa como nas viagens intercontinentais, cuja concorrência cita os nomes da Emirates e da Etihad. “Como um homem nascido e criado dentro da Lufthansa, vejo minha indicação para ser o CEO como uma honra e também como uma obrigação” – enfatizou Spohr em comunicado à imprensa.

Carsten Spohr,Chef Lufthansa Fluggeschäft

A restruturação dentro da empresa teve início ainda em 2012 e deverá se estender até 2015, como no processo de renovação da frota sem aumentar sua dívida, onde a empresa já cortou custos e empregos e espera chegar a uma economia de mais de 1,5 bilhões de dólares no período. Por Jean R Dierckx, de Bruxelas, Bélgica – Correspondente para a Revista INFLYGHT AEREO – Brasil – Images – Lufthansa-Press-Communication.